Oceanografia

Em um país com uma área costeira tão vasta como o nosso, tornar-se um profissional de Oceanografia pode proporcionar um futuro com diversas possibilidades no mercado. Mas afinal, o que é Oceanografia? Tudo bem que tem a ver com oceanos, mas no que exatamente ela consiste?

Essa ciência estuda as características e comportamentos de quaisquer ambientes aquáticos: oceanos, mares, rios e lagos. O profissional é responsável por coletar amostras de elementos desses ambientes, determinar suas condições físicas, químicas e biológicas, pesquisar as diferentes formas de vida presentes ali, entre inúmeras outras atribuições.

O perfil do profissional

O oceanógrafo lida com o ambiente aquático e todos os elementos que o compõem; isso significa que ele lidará diretamente com física, química e, claro, biologia. Ele precisa ser um profissional meticuloso, observador, estar sempre se atualizando e gostar muito de estar em contato com a natureza o tempo todo.

O mercado de trabalho

Atualmente existem em média apenas 2 mil profissionais formados nessa área no Brasil. Considerando a imensidão do campo de estudo do nosso território, essa quantidade é pouca; porém, mesmo com um mercado tão promissor a novos profissionais, muitos ainda têm dificuldade em se alocar na profissão, não por conta de falta de emprego, mas sim por falta de comunicação entre o mercado empregador e o profissional – as empresas, muitas vezes, acabam contratando profissionais de outras áreas correlacionadas.

O que faz o Oceanógrafo?

São muitas as atribuições dele. Podemos listar entre as principais:

  • Preservação ambiental: laudos técnicos, minimização de impactos ambientais;
  • Gerenciamento de recursos naturais: extração e utilização de recursos marinhos;
  • Modelagem oceânica: estudo do movimento dos mares;
  • Geoprocessamento oceânico: mapeamento da vastidão aquática;
  • Limnologia: preservação de ambientes de água doce;
  • Saneamento de regiões costeiras;
  • Maricultura: cultivo de organismos aquáticos.

No Brasil, os campos em alta são os de preservação ambiental; as empresas que farão a exploração de uma área aquática contratam um oceanógrafo para analisar os impactos ambientais. Além disso, a maricultura é uma prática comum em Santa Catarina, gerando um bom campo naquele estado. A Biotecnologia (prática da utilização de recursos naturais nas indústrias alimentícia, farmacêutica e cosmética) proporciona também a abertura constante de novos empregos.

Muitas instituições, inclusive públicas, oferecem boas vagas de estágio: Marinha do Brasil, Instituto Nacional de Pesquisa Hidroviária, consultorias em meio ambiente, empresas de coletas de dados aquáticos, empresas de pesca, etc.

Os salários são muito variáveis. Iniciantes podem ganhar de 2,8 mil reais a 5 mil, enquanto veteranos podem ter seus salários alcançando até 15 mil.

Onde estudar

Existem no país todos apenas 12 instituições de ensino superior com o curso de Oceanografia reconhecido pelo MEC. São elas: UNIVALI (Universidade do Vale do Itajaí), UNIMONTE (Universidade Monte Serrat – Santos), USP (Universidade de São Paulo), UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), UFMA (Universidade Federal do Maranhão), UFPA (Universidade Federal do Pará), UFPR (Universidade Federal do Paraná), UFES (Universidade Federal do Espírito Santo), UFBA (Universidade Federal da Bahia), UFPE (Universidade Federal do Pernambuco), UFC (Universidade Federal do Ceará), UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina).

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Top